Eвропейската алтернатива на Турция е неизбежна и
един ден тя ще бъде неотделима част от Европа като политическо, икономическо и културно пространство !

Орхан Памук

728x90,booking

Booking.com

728x90

travel-in-turkey

travel-in-turkey
travel-in-turkey

събота, 4 декември 2010 г.

Бразилия призна палестинската държава в границите от 1967 г. ! / Brazil recognizes Palestinian state on 1967 borders !

nº 708 - 03/12/2010

Бразилия призна палестинската държава в границите от 1967 г.

04 декември 2010

Бразилия. Правителството на Бразилия призна палестинската държава в границите от 1967 г., която съществуваше до началото на Шестдневната война между Израел и арабските страни, съобщи агенция ЕФЕ, позовавайки се на комюнике на бразилското външно министерство.
Бразилският президент Луис Инасио Лула да Силва изправи писмо до ръководителя на Палестинската автономия Махмуд Аббас, в което се съобщава за това решение.
В комюникето се посочва, че бразилските власти отговарят положително на молбата за признаването на палестинската държава, отправена от Махмуд Аббас на 24 ноември 2010 г. От бразилското външно министерство също така посочват, че позицията на Бразилия по този въпрос е в съответствие с резолюциите на ООН.

иаф / Портал Турция

:::

Brazilian President Luis Inacio Lula da Silva speaks during a press conference with Rio de Janeiro's Foreign Press Association in Brazil. Lula recognized a Palestinian state within the 1967 borders Friday in a public letter addressed to Palestinian leader Mahmud Abbas.

Brazil recognizes Palestinian state on 1967 borders

AFP - Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva recognized a Palestinian state within the 1967 borders Friday in a public letter addressed to Palestinian leader Mahmud Abbas.

The decision came in response to a personal request made by Abbas on November 24, according to the letter published on the foreign ministry's website.

"Considering that the demand presented by his excellency (Abbas) is just and consistent with the principles upheld by Brazil with regard to the Palestinian issue, Brazil, through this letter, recognizes a Palestinian state on the 1967 borders," it said.

The letter refers to the "legitimate aspiration of the Palestinian people for a secure, united, democratic and economically viable state coexisting peacefully with Israel."

The international community backs Palestinian demands for a state in most of the Gaza Strip, the West Bank and east Jerusalem, all territories occupied by Israel in the 1967 Six Day War.

But the United States and most Western governments have held back from recognizing a Palestinian state, saying it should be brought about through a negotiated peace agreement with Israel.

Abbas visited Brazil in 2005 and 2009, and Lula made the first ever trip by a Brazilian head of state to Israel and the Palestinian territories in March of this year.

In a parallel statement, the government assured relations with Israel "have never been more robust."

Brazil has offered to help mediate Israeli-Palestinian peace talks, which were briefly revived in September before grounding to a halt over the resumption of Israeli settlement building in the occupied territories.

http://www.france24.com / Portal Turkey

:::

Nota nº 708
Cartas dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Mahmoud Abbas a respeito do Reconhecimento pelo Governo Brasileiro do Estado Palestino nas Fronteiras de 1967

03/12/2010 -

Carta do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva:

“À Sua Excelência
Mahmoud Abbas
Presidente da Autoridade Nacional Palestina

Senhor Presidente,

Li com atenção a carta de 24 de novembro, por meio da qual Vossa Excelência solicita que o Brasil reconheça o Estado palestino nas fronteiras de 1967.

Como sabe Vossa Excelência, o Brasil tem defendido historicamente, e em particular durante meu Governo, a concretização da legítima aspiração do povo palestino a um Estado coeso, seguro, democrático e economicamente viável, coexistindo em paz com Israel.

Temos nos empenhado em favorecer as negociações de paz, buscar a estabilidade na região e aliviar a crise humanitária por que passa boa parte do povo palestino. Condenamos quaisquer atos terroristas, praticados sob qualquer pretexto.

Nos últimos anos, o Brasil intensificou suas relações diplomáticas com todos os países da região, seja pela abertura de novos postos, inclusive um Escritório de Representação em Ramalá; por uma maior freqüência de visitas de alto nível, de que é exemplo minha visita a Israel, Palestina e Jordânia em março último; ou pelo aprofundamento das relações comerciais, como mostra a série de acordos de livre comércio assinados ou em negociação.

Nos contatos bilaterais, o Governo brasileiro notou os esforços bem sucedidos da Autoridade Nacional Palestina para dinamizar a economia da Cisjordânia, prestar serviços à sua população e melhorar as condições de segurança nos Territórios Ocupados.

Por considerar que a solicitação apresentada por Vossa Excelência é justa e coerente com os princípios defendidos pelo Brasil para a Questão Palestina, o Brasil, por meio desta carta, reconhece o Estado palestino nas fronteiras de 1967.

Ao fazê-lo, quero reiterar o entendimento do Governo brasileiro de que somente o diálogo e a convivência pacífica com os vizinhos farão avançar verdadeiramente a causa palestina. Estou seguro de que este é também o pensamento de Vossa Excelência

O reconhecimento do Estado palestino é parte da convicção brasileira de que um processo negociador que resulte em dois Estados convivendo pacificamente e em segurança é o melhor caminho para a paz no Oriente Médio, objetivo que interessa a toda a humanidade. O Brasil estará sempre pronto a ajudar no que for necessário.

Desejo a Vossa Excelência e à Autoridade Nacional Palestina êxito na condução de um processo que leve à construção do Estado palestino democrático, próspero e pacífico a que todos aspiramos.

Aproveito a ocasião para reiterar a Vossa Excelência a minha mais alta estima e consideração.”


Carta do Presidente Mahmoud Abbas ao Presidente Luiz Inácio Lula da Silva

(Tradução não-oficial)

“Sua Excelência Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Federativa do Brasil Brasília

24/11/2010

Saudações,

Inicialmente, gostaríamos de estender a Vossa Excelência nossas felicitações pelo sucesso das eleições gerais no Brasil, louváveis por sua elevada transparência e pelo alto nível do processo democrático, que levaram à vitória a candidata de seu partido como nova Presidente da República Federativa do Brasil. É com satisfação que também saudamos entusiasticamente o seu Governo, testemunha de um período de prosperidade econômica e mudança política qualitativa, que inscreve Vossa Excelência na história política moderna do Brasil.

Senhor Presidente,

A atual situação nos territórios palestinos evidencia uma grande escalada das ações israelenses. O Governo de Israel recusa-se a interromper suas atividades em assentamentos. Isso paralisou o lançamento de negociações diretas, apesar das posições e dos pedidos de países de todo o mundo para que Israel ponha fim aos assentamentos, e, dessa forma, não apenas torne possíveis as negociações, como também dê uma chance à paz. No entanto, Israel ainda desafia o mundo inteiro e insiste em suas atividades colonizadoras. Tal posição dificulta qualquer possibilidade de se alcançar um acordo por meio de negociações e cria também uma nova realidade no terreno, que inviabiliza a solução de dois Estados.

Enquanto expressamos a Vossa Excelência o nosso orgulho das valorosas e históricas relações brasileiro-palestinas, que refletem suas posições firmes em relação ao nosso povo ao longo dos anos e em nossos recentes encontros, esperamos, nosso caro amigo, que Vossa Excelência decida tomar a iniciativa de reconhecer o Estado da Palestina nas fronteiras de 1967. Essa será uma decisão importante e histórica, porque encorajará outros países em seu continente e em outras regiões do mundo a seguir a sua posição de reconhecer o Estado palestino. Essa decisão levará também ao avanço do processo de paz e à promoção da posição palestina, que busca o reconhecimento internacional do Estado da Palestina. Esperamos que o nosso pedido possa receber sua bondosa aceitação e esperamos também que essa iniciativa possa ser tomada antes do fim de seu mandato presidencial.

Queira aceitar os protestos de nossa mais alta estima e consideração.

Mahmoud Abbas
Presidente do Estado da Palestina
Presidente do Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina Presidente da Autoridade Nacional Palestina”

:::

Nota nº 707
Reconhecimento do Estado Palestino nas Fronteiras de 1967 / Recognition of the Palestinian State along the 1967 Borders

English version after original in Portuguese
03/12/2010 -

Por meio de carta enviada pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, em 1º de dezembro, o Governo brasileiro reconheceu o Estado palestino nas fronteiras existentes em 1967.

O reconhecimento ocorre em resposta a gestões palestinas e a carta enviada pelo Presidente Abbas ao Presidente Lula, no último dia 24 de novembro, com solicitação nesse sentido.

A iniciativa é coerente com a disposição histórica do Brasil de contribuir para o processo de paz entre Israel e Palestina, cujas negociações diretas estão neste momento interrompidas, e está em consonância com as resoluções da ONU, que exigem o fim da ocupação dos territórios palestinos e a construção de um Estado independente dentro das fronteiras de 4 de junho de 1967.

A decisão não implica abandonar a convicção de que são imprescindíveis negociações entre Israel e Palestina, a fim de que se alcancem concessões mútuas sobre as questões centrais do conflito.

O Brasil reafirma sua tradicional posição de favorecer um Estado palestino democrático, geograficamente coeso e economicamente viável, que viva em paz com o Estado de Israel. Apenas uma Palestina democrática, livre e soberana poderá atender aos legítimos anseios israelenses por paz com seus vizinhos, segurança em suas fronteiras e estabilidade política em seu entorno regional.

O Governo brasileiro considera que o apoio de países extrarregionais à solução de dois Estados é fundamental para legitimar a via negociadora como único meio para se chegar ao fim da ocupação. Tal apoio ocorre tanto por meio de respaldo político a uma solução pacífica e justa, que resulte numa paz duradoura, quanto por meio de iniciativas conducentes à construção e ao fortalecimento de instituições estatais palestinas.

Mais de cem países reconhecem o Estado palestino. Entre esses, todos os árabes, a grande maioria dos africanos, asiáticos e leste-europeus. Países que mantêm relações fluidas com Israel – como Rússia, China, África do Sul e Índia, entre outros – reconhecem o Estado palestino. Todos os parceiros do Brasil no IBAS e no BRICS já reconheceram a Palestina.

A maior parte dos reconhecimentos se seguiu à Declaração de Independência adotada pelo Conselho Nacional Palestino em novembro de 1988, em Argel.

Em seguida à Declaração de Argel, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou Resolução, com o voto favorável do Brasil, por meio da qual tomou conhecimento da proclamação do Estado palestino.

O Brasil reconhece, desde 1975, a OLP como legítima representante do povo palestino, dotada de personalidade de direito internacional público. Em 1993, o Brasil autorizou a abertura de Delegação Especial Palestina, com “status” diplomático semelhante às representações das Organizações Internacionais. Em 1998, o tratamento concedido à Delegação foi equiparado ao de uma Embaixada, para todos os efeitos.

Nos últimos anos, o Brasil vem intensificando seu relacionamento com a Palestina. Em 2004, foi aberto Escritório de Representação em Ramalá. O Presidente Mahmoud Abbas veio ao Brasil em duas ocasiões (maio de 2005, para participar da I Cúpula ASPA, e novembro de 2009). O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve nos Territórios Palestinos Ocupados em março de 2010, acompanhado de expressiva delegação empresarial.

O Brasil tem também prestado apoio material à edificação do Estado palestino. Desde 2006, tem participado de Conferências internacionais em prol da resolução do conflito no Oriente Médio, como os encontros em Annapolis (novembro de 2007), Paris (dezembro de 2007) e Sharm El-Sheikh (março de 2009). Nas duas últimas, o Brasil fez doações de cerca de US$ 20 milhões à Autoridade Nacional Palestina, aplicados em projetos em segurança alimentar, saúde, educação e desenvolvimento rural.

O Brasil tem contribuído, ainda, para projetos em benefício do povo palestino coordenados por fundos e agências internacionais como o PNUD, o Banco Mundial e a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA). Juntas, essas contribuições se aproximam de US$ 2 milhões.

Por meio do Fundo IBAS, mantido com Índia e África do Sul, o Brasil realizou doação de US$ 3 milhões, que estão sendo investidos na construção de um centro poliesportivo em Ramalá e na recuperação de um hospital em Gaza.

O Brasil tem-se engajado também na diversificação e aprofundamento dos projetos de cooperação técnica com a Autoridade Nacional Palestina. Há iniciativas nas áreas de saúde, infraestrutura urbana, agricultura, educação, esportes e eleições.

Paralelamente, nunca foram tão robustas as relações bilaterais com Israel. Os laços entre os dois países têm-se fortalecido ao longo dos anos, em paralelo e sem prejuízo das iniciativas de aproximação com o mundo árabe e muçulmano.

A corrente de comércio e o fluxo de investimentos bilaterais com Israel vêm atingindo recordes históricos. O Acordo de Livre Comércio entre o MERCOSUL e Israel, em vigor desde abril, foi o primeiro do bloco regional com um país de fora da região.

O Presidente Lula realizou, em março, a primeira visita de um Chefe de Estado brasileiro ao Estado de Israel, retribuindo a visita do Presidente israelense Shimon Peres ao Brasil, em novembro de 2009, a primeira de um Chefe de Estado desse país em mais de quarenta anos.

Também têm-se intensificado os esforços de cooperação na área de ciência e tecnologia, defesa, segurança pública e cooperação técnica, de que é exemplo o acordo para cooperação conjunta em terceiros países, o que possibilita a atuação em casos de catástrofe humanitária, como no Haiti.


***

In a letter sent by President Luiz Inácio Lula da Silva to the President of the Palestinian National Authority, Mahmoud Abbas, on 1 December 2010, the Brazilian Government has recognized the Palestinian State based on the existing borders in 1967.

The recognition has taken place following negotiations by the Palestinian side and a letter sent by President Abbas to President Lula, last 24 November, in which he requested the recognition.

The initiative is in accordance with Brazil’s historical willingness to contribute to the peace process between Israel and Palestine, whose direct negotiations are currently on hold, and it is in line with UN resolutions, which have demanded an end to the occupation of Palestinian territories and the construction of an independent State within the borders of 4 June 1967.

The conviction that negotiations between Israel and Palestine are vital for the achievement of mutual concessions on the main issues of the conflict has not been abandoned with this decision.

Brazil reaffirms its traditional position toward a democratic Palestinian State, geographically contiguous and economically viable, co-existing in peace with the State of Israel. Only a democratic, free and sovereign Palestine will meet the legitimate Israeli aspirations for peace with its neighbors, border security and political stability in the region.

The Brazilian Government believes that the support from extra-regional countries to the two-state solution is fundamental to legitimize negotiations as the only means to achieve the end of the occupation. This support may be either the political backing to a peaceful and just solution resulting in lasting peace or through initiatives conducive to the construction and strengthening of the Palestinian state institutions.

Over one hundred countries have recognized the Palestinian State. Among them, all of the Arab countries and most of the African, Asian and Eastern European ones. Countries that maintain fluid relations with Israel – such as Russia, China, South Africa and India, among others – have recognized the Palestinian State. All of Brazil’s partners both in IBSA and BRIC have recognized Palestine.

Most instances of recognitions followed the Declaration of Independence adopted by the Palestinian National Council in November 1988, in Algiers.

Following the Algiers Declaration, the United Nations General Assembly adopted a Resolution, with Brazil’s favorable vote, in which it acknowledged the proclamation of the Palestinian State.

Since 1975, Brazil has recognized the PLO as the legitimate representative of the Palestinian people, possessing personality under international public law. In 1993, Brazil authorized the establishment of a Special Palestinian Delegation, with diplomatic status similar to that of International Organizations. In 1998, the same treatment granted to Embassies was extended to the Delegation, in all instances.

In the past few years, Brazil has strengthened relations with Palestine. In 2004, a Representative Office was established in Ramallah. President Mahmoud Abbas came to Brazil twice (in May 2005, to participate in the 1st South American – Arab Countries Summit, and in November 2009). President Luiz Inácio Lula da Silva visited the Occupied Palestinian Territories in March 2010, accompanied by a large business delegation.

Brazil has also lent material support to the construction of the Palestinian State. Since 2006, Brazil has taken part in international Conferences aimed at resolving the Middle East conflict, such as the meetings in Annapolis (November 2007), Paris (December 2007) and Sharm El-Sheikh (March 2009). In the latter two, Brazil donated approximately US$ 20 million to the Palestinian National Authority, to be used in food security, health, education and rural development projects.

Brazil has also contributed to projects, with the goal of benefitting the Palestinian people, which are coordinated by international funds and agencies, such as UNDP, the World Bank, and the United Nations Relief and Works Agency for Palestine Refugees in the Near East (UNRWA). Together, these contributions add up to nearly US$ 2 million.

Brazil has made a US$ 3 million donation through the IBSA Fund, run together with India and South Africa, which are being invested in the construction of a multi-sport center in Ramallah and in the renovation of a hospital in Gaza.

Brazil has also been engaged in the diversification and strengthening of technical cooperation projects with the Palestinian National Authority. There are initiatives in areas such as health, urban infrastructure, agriculture, education, sports and elections.

Meanwhile, relations with Israel have never been as strong. The ties between both countries have been strengthened throughout the years, simultaneously and without harm to the initiatives to establish closer ties with the Arab and Muslim world.

Trade and investment flows with Israel have repeatedly reached historical records. The Free Trade Agreement between MERCOSUR and Israel, in force since April, was the first done between the regional bloc and an extra-regional country.

In March, President Lula made the first visit of a Brazilian Head of State to the State of Israel, in retribution to the visit made by Israeli President Shimon Peres to Brazil in 2009, the first of a Head of State from that country in over forty years.

Cooperation efforts on science and technology, defense, public security and technical cooperation have also been furthered, of which the agreement for joint cooperation in third countries is an example. It provides for action in case of humanitarian disaster, such as what took place in Haiti.

http://www.itamaraty.gov.br / Portal Turkey

Няма коментари:

Публикуване на коментар

Петиция за свалянето на имунитета на Волен Сидеров

Избитите от комунистическия режим на Тодор Живков по време на т.нар. "Възродителен процес".2